12 apps em 1 ano: Atirando flechas como Robin Hood

Em posts anteriores eu usei realidade virtual para explorar a Roma Antiga e para aprender a voar. Ser um explorador nesses mundos é bastante interessante inicialmente, mas não captura todo o potencial dessa nova plataforma. Mais do que nos permitir explorar mundos virtuais, a realidade virtual nos permite interagir com eles.

A diferença entre os equipamentos de VR

Duas coisas separam os equipamentos de VR que são top de linha, como o Oculus Rift e o HTC Vive, de experiências mais simples, como o Gear VR. A primeira delas é o “positional tracking”, que nada mais é do que permitir que você mova seu corpo no mundo real e transmitir esse movimento para o mundo virtual. Com isso você pode se abaixar, enclinar o corpo, rodar em todas as direções e até pular. Poder se mover no mundo real e ver os efeitos no mundo virtual aumenta bastante a sensação de que de fato você está em outro ambiente.

A segunda diferença é poder interagir com os objetos através de controles especiais, que têm sua posição mapeada perfeitamente do mundo real para o virtual. Com esses controles conseguimos pegar objetos, empurrá-los e jogá-los, além de simularmos armas de fogo, espadas e outras armas. Definitivamente a experiência é completamente diferente de usar um joystick normal.

Explorando a VR mais uma vez

Para continuar meus experimentos com realidade virtual decidi criar um app que usasse os controles de alguma forma. Um dos meus jogos favoritos para o HTC Vive se trata do Holopoint. Esse game é bastante simples e consiste apenas de atirar flechas em cubos holográficos, mas é surpreendentemente divertido. Criar um demo de arco e flecha me pareceu um desafio interessante para aprender a programar usando os inputs dos controles do Vive.

A Valve criou um plugin chamado Steam VR para o Unity para facilitar o desenvolvimento de aplicações de realidade virtual. O plugin já tem métodos básicos de acesso aos controles o que ajudou bastante no meu desenvolvimento.

Eu usei um cenário pronto de uma floresta para deixar a experiência um pouco mais interessante:

 

O resultado final visualizado no unity é esse:

Usando game engines como Unity é possível prototipar experiências em VR em questão de horas mas isso não significa que o desenvolvimento de uma solução completa não seja caro. Mesmo que em algumas horas eu tenha conseguido algo funcional a experiência de usar o arco e atirar flechas não se comparou a de jogos mais maduros como Holopoint e The Lab. Isso se deve provavelmente ao fato de que uma boa experiência em VR depende de muitos detalhes para que a ilusão de que você está de fato em outro mundo funcione.

 

Livros Recomendados

Receba um email mensal com recomendação dos melhores livros que li.


Não vamos te enviar spam Powered by ConvertKit

Edmar Ferreira é Co-Fundador e CEO da Rock Content, líder em Marketing de Conteúdo no Brasil, e é membro ativo do SanPedroValley, comunidade auto-gerenciada de startups de Belo Horizonte.

Site Footer